Vídeos

Visitas

domingo, 6 de janeiro de 2019

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA APIME EM 2018




JANEIRO DE 2018

A APIME LANÇA CAMPANHA " Diga ao Brasil, diga ao IBGE: Eu Crio Abelha!" PARA OS CRIADORES DE ABELHAS PARTICIPAREM DO CENSO AGROPECUÁRIO 2017
A Associação Pernambucana de Apicultores e Meliponicultores, em 18.01.18, lançou a Campanha “ Diga ao Brasil, Diga ao IBGE: Eu crio abelha!!!  que tem como objetivo elevar o número de registro da atividade de criação de abelhas do Brasil no Censo Agropecuário do IBGE,  que está em curso.
A campanha visou estimular os agricultores criadores de abelhas a declararem que desenvolvem esta atividade. O formulário do IBGE contempla a atividade Apicultura, mas a APIME acredita que mesmo assim, muitos criadores deixam de declarar a existência dessa atividade.
Foi enviado um Ofício da APIME para Confederação Brasileira de Criadores de Abelhas – CBA no sentido de divulgar essa iniciativa.

APIME: Conversa Ambiental com os Adultos e Ecoférias com as Crianças no Jardim Botânico do Recife
A APIME realizou, no dia 14.01.18, mais uma bela e importante atividade de educação ambiental no Jardim Botânico do Recife com a participação na Conversa Ambiental e Ecoférias,

A APIME ministrou no dia 14.01.18 a palestra "Vida e função das abelhas"- no Jardim Botânico do Recife
A APIME,  através do convite feito pelo Jardim Botânico do Recife, participou da Conversa Ambiental - Ecoférias, no dia 14 de janeiro de 2018 onde ministrou a palestra "Vida e função das abelhas".

FEVEREIRO DE 2018

Solar das Abelhas
A APIME teve a honra de anunciar a inauguração do Solar das Abelhas: um Centro de Educação Ambiental sobre Abelhas. Fruto do sonho e da iniciativa de Luiz Aleixo, Lula do Mel. O Solar das Abelhas fica localizado na região do Alto do Moura, em Caruaru - PE, na localidade conhecida como Pontilhão das Artes. O Espaço passa a ser um referencial para educação ambiental sobre abelhas em Pernambuco. Um outro ponto importante é que esse projeto foi totalmente custeado por recursos próprios de Lula do Mel, um exemplo de iniciativa. A APIME parabeniza seu sócio, Luiz Aleixo por presentear a todos nós com o Solar das Abelhas e agradecer por dividir esse sonho com todos nós!
Inauguração do Solar das Abelhas - A APIME esteve presente
Numa manhã ensolarada, em 21 de abril de 2018, no agreste pernambucano, em plena caatinga esverdeada pelas chuvas da época, se deu a inauguração do Solar das Abelhas, localizado na região cultural do Alto do Moura , em Caruaru - PE.
A APIME anunciou em seu Blog a Reunião da Federação de Apicultores e Meliponicultores de Pernambuco - FEAMPE  ocorrida em Caruaru  -PE que ocorreu no dia 21 de abril de 2018, onde a APIME participou.

Dia do Apicultor da APIME - 22 de maio de 2018
A APIME comemorou o Dia do Apicultor, Dia 22 de maio, na Granja Santa Rita, em Paulista - PE. Foi uma parceria entre a Sra. Maria Lourdes Gomes Campos, proprietária da Granja, a Prefeitura de Paulista e o IPA de Paulista e a Paróquia de Santa Clara de Paulista.
Foi uma programação riquíssima. Uma Exposição sobre Apicultura e Meliponicultura, com expositores de abelhas Apis e Melipona, além de produtos como mel, própolis e pólen. Ainda, teve a comercialização de produtos, entre eles licores especiais de frutas tropicais.
Em seguida, foi ministrada uma palestra pelo presidente da APIME, Adgerlan Codácio, sobre apiterapia para um público diversificado, mas com muita gente com foco em terapias alternativas, atualmente denominada de terapia complementar e reconhecida pelo Sistema Único de Saúde -SUS.
Após a palestra, houve uma trilha ecológica para apreciar a vegetação resquício da mata atlântica, uma área de recuperação, com direito a comer jaca e achacariu. Após o almoço, foi realizada uma apresentação cultural, com nossos artistas apicultores e meliponicultores, Benoni Codácio e Pauló Matricó. Foi uma apresentação emocionante.
Muita gente assistindo e relembrando "coisas da natureza". Benoni recitou um poema social que emocionou a todos! Uma Missa foi celebrada pelo Padre Francisco Belarmino trouxe uma mensagem fazendo referência da vida de Santa Rita com a necessidade de respeito às mulheres.

JUNHO DE 2018

A APIME  na Reunião do CONSEMA sugeriu e foi aprovada a criação do Prêmio Vasconcelos Sobrinho Categoria Bem Estar Animal
A entrega da premiação Prêmio Vasconcelos Sobrinho 2018  foi realizada no dia 15.06.2018.

AGOSTO DE 2018

Conselho Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco - XCII (92ª) Reunião Ordinária do CONSEMA/PE.

SETEMBRO DE 2018

Uma manhã de vivência sobre abelhas e formigas para Escola Vila Aprendiz no Jardim Botânico do Recife
No dia 26 de setembro de 2018, 46 alunos de três turmas de 2º ano da Escola Vila Aprendiz vieram ao Jardim Botânico conhecer e conversar sobre abelhas e formigas que são "parentes", ou seja, da mesma ordem zoológica, Hymenóptera.
Os alunos participaram das atividades organizadas pela APIME: visita ao meliponário, uma exposição de abelhas com ferrão (Apis) e uma caminhada nas trilhas para conhecer ninhos de abelhas nativas e formigueiros na natureza.

Falando e Ouvindo sobre Abelhas na Mata do Passarinho - Olinda - PE
No dia 22 de setembro de 2018 a APIME cumpriu com mais uma importante atividade voltada a difundir a importância das abelhas e sua conservação.
Foi na Mata do Passarinho, uma parceria com a Diretoria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Olinda, onde a APIME mantém um meliponário didático nesta Floresta Urbana - FURB.
A atividade foi para alunos da Faculdade de Olinda- FACCOTUR - Faculdade de Comunicação e Turismo de Olinda e da UFPE os quais participaram inicialmente de duas apresentações. Uma sobre a Unidade de Conservação Floresta Urbana Mata de Passarinho, proferida pela gestora da Unidade de Conservação, Bióloga Rosany Lócio. Em seguida, a palestra "Falando e Ouvindo sobre Abelhas" foi proferida pelo presidente da APIME, Adgerlan Codácio.

APIME no Jardim Botânico - hoje 22.09.2018
No Meliponário Didático da APIME no Jardim Botânico do Recife, onde temos um calendário mensal permanente de atividades, recebemos crianças, jovens e adultos que se encataram com as abelhas nativas.  As crianças deram um "show"!!!
Recebemos, na ocasião, a visita de dois norte americanos que não diferentemente das crianças ficaram admirando ao ver o interior das colônias e o sabor do mel das abelhas "beautifull bee".
Foi feita uma transferência de uma colônia de uma caixa antiga para uma colmeia nova.


Turminha do 2º Ano do Colégio Equipe (Recife - PE) faz apresentação sobre abelhas.
Nos dias 20 e 21 de setembro de 2018, uma turminha realizou uma exposição sobre abelhas, abelhas com ferrão e sem ferrão. 

O estande estava muito bem organizado e tinha abelhinhas artesanais feitas por cada uma delas. Tinha mel, cera, livros sobre abelhas, produtos a base de mel.

Fantástica foi a rodada de conversa com as crianças. Elas explicaram sobre abelhas e demonstraram muito conhecimento do que pesquisaram.

Foi escolhido um aluno para vestir a indumentária do apicultor. Momento muito legal.

Reunião Solene em homenagem aos 39 anos de fundação do Jardim Botânico do Recife na Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco.

A APIME esteve presente, no dia 18 de setembro de 2018, à Reunião Solene em homenagem aos 39 anos de fundação do Jardim Botânico do Recife na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco.

A APIME mantém um meliponário didático no Jardim Botânico do Recife a mais de 20 anos onde recebeu centenas de visitantes. Foi o primeiro Jardim Botânico a ter uma estrutura para criação de abelhas nativas voltadas para a promoção da Educação Ambiental e Conservação Ambiental.
Fazemos parte dessa história!

Despedida de Dr. Kerr
Os integrantes da APIME registraram seus pesares com o falecimento de Dr. Kerr, no dia de hoje, 15.09.2018, aos 96 anos completados no dia 09 de setembro.

Constantino Zara deixa seu legado
A APIME lamenta o falecimento do amigo Constantino Zara, Presidente da APACAME (São Paulo).



O Curso Manejo de Alta Produção em Colmeias de Argila para abelhas sem ferrão.
A APIME e o Solar das Abelhas realizaram o Curso Manejo de Alta Produção em Colmeias de Argila para abelhas sem ferrão, ministrado pelo meliponicultor Cláudio Moura. Um curso inédito que teve como objetivo  apresentar novas técnicas de manejo para abelhas sem ferrão com a utilização de colmeis confeccionadas em argila.
O Curso foi realizado em dois grandes espaços: O Solar das Abelhas, no Alto do Moura em Caruaru e no Meliponário, no município de Bonito.

  
OUTUBRO DE 2018

Campanha para conservação do Maracujá Açu - Passiflora quadrangulares
A APIME com objetivo de contribuir com um trabalho de conservação de espécies de maracujás nativos solicitoiu que quem conheça e possa obter e ceder fruto e sementes do maracujá açu - Passiflora quadrangulares entre em contato conosco pelo e-mail apime.pe@hotmail.com ou pelo zap - 988169628

Os frutos e sementes serão repassados para uma instituição relacionada com a conservação de plantas para serem cultivadas e reproduzidas para formação de mudas para posterior repovoamento/enriquecimento vegetal de áreas naturais e pomares. 


APIME participou do 16º Aniversário da Mata de Passarinho - Olinda - PE
A APIME participou hoje, dia 02.10.2018, das comemorações do 16º Aniversário da Mata de Passarinho, localizada em Olinda - PE, onde a APIME mantém um meliponário didático.

A Exposição da APIME foi prestigiada por alunos de escolas municipais e pelo Prefeito de Olinda, Professor Lupércio e  secretários municipais.
Na solenidade comemorativa, a APIME foi convidada para integrar a mesa momento este, em que mais uma vez recebeu o agradecimento do Prefeito por nossa parceria com aquela Unidade de Conservação.

Teve a participação da APIME com a  apresentação de Benoni Codácio que estava na programação do Festival Salve a Quadra do Mangueirão ocorrido no dia 03 de novembro de 2018, em Paratibe - Paulista - PE.
Trata-se de um movimento cultura em defesa do Espaço Cultural conhecido como Quadra do Mangueirão, ambiente onde o Movimento Escambo promove atiividades culturais e educativas voltadas para a valorização dos talentos regionais e principalmente na mobilização e discussão relacionadas com a utilização e o papel dos espaços públicos para a sociedade.

Benoni Codácio promove a APIME nesse espaço em diversos momentos.

Comemoração ao Dia da Abelha (03 de outubro)
A APIME, no dia 14.10.18, no Jardim Botânico do Recife – Curado – PE, ministrou a palestra: “Sem Abelhas, Sem Alimentos”  - Objetivo de informar sobre a importância das abelhas para a produção de alimentos através da polinização. Em seguida, realizou-se a visita ao Meliponário para conhecer as abelhas nativas.

Representantes da APIME estiveram presentes no Lançamento do Curso: Bacharelado em Agroecologia, Campesinato e Educação Popular da Universidade Federal Rural de Pernambuco.
Benoni Codácio, Tuanny Araújo  e Alexandre Moura estiveram presentes no dia 17 de outubro de 2018 na Universidade Federal Rural de Pernambuco para prestigiar o lançamento do Curso de Bacharelado em AGROECOLOGIA, CAMPESINATO E EDUCAÇÃO POPULAR. Esse curso é um marco para o desenvolvimento da agroecologia no Estado e na região nordeste. A UFRPE por anos tem um corpo docente voltado para essa área, que através de muito esforço, articulação e competência conseguiram efetivar o referido Curso este ano.

Representantes da APIME estiveram presentes na Semana de Agronomia - SESAGRO Universidade Federal Rural de Pernambuco.
A APIME participou, no dia 24.10.2018, da Semana de Agronomia - SESAGRO da Universidade Federal Rural de Pernambuco em que ministrou a palestra "Experiências de trabalho com a agricultura familiar e agroecologia ministrada pelo presidente da APIME, Adgerlan Codácio da Silva que é extensionista do Instituto Agronômico de Pernambuco - IPA. O foco foi a agricultura familiar e a agroecologia.

A APIME no CONSEMA - Conselho Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco.
A APIME participou de todas as reuniões Ordinárias e Extraordinárias do Conselho Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco.
Realizou a divulgação em seu Blog de todas as Reuniões e respectivas pautas.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA RELATIVA A PRODUTOS DAS ABELHAS





Instrução Normativa MAPA Nº 16 DE 23/06/2015 

Publicado no DO em 24 jun 2015 Estabelece, em todo o território nacional, as normas específicas de inspeção e a fiscalização sanitária de produtos de origem animal, referente às agroindústrias de pequeno porte.

Resolve: 

Art. 1º Estabelecer, em todo o território nacional, as normas específicas de inspeção e a fiscalização sanitária de produtos de origem animal, referente às agroindústrias de pequeno porte. 

§ 1º As atividades previstas no caput devem observar as competências e as normas relacionados ao Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. 

§ 2º Entende-se por estabelecimento agroindustrial de pequeno porte de produtos de origem animal o estabelecimento de agricultores familiares ou de produtor rural, de forma individual ou coletiva, com área útil construída de até 250m2 (duzentos e cinquenta metros quadrados), dispondo de instalações para: I - abate ou industrialização de animais produtores de carnes; II - processamento de pescado ou seus derivados; III - processamento de leite ou seus derivados; IV - processamento de ovos ou seus derivados; e V - processamento de produtos das abelhas ou seus derivados;


DECRETO FEDERAL  Nº 7.216, DE 17 DE JUNHO DE 2010

Dá nova redação e acresce dispositivos ao Regulamento dos arts. 27-A, 28-A e 29-A da Lei nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991, aprovado pelo Decreto nº 5.741, de 30 de março de 2006, e dá outras providências. 

Art. 1º Os arts. 2º, 96, 149 e 153 do Anexo ao Decreto nº 5.741, de 30 de março de 2006, passam a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 2º .............................................................................................
..........................................................................................................
§ 9º O Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária respeitará as especificidades regionais de produtos e das diferentes escalas de produção, incluindo a agroindústria rural de pequeno porte." (NR)



INSTRUÇÃO NORMATIVA No 5, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2017 

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, tendo em vista o disposto no inciso III do art. 7o, combinado com os arts. 143-A e 152, do Anexo do Decreto no 5.741, de 30 de março de 2006, e o que consta do Processo no 21000.004406/2015-26, resolve: Art. 1o 

Ficam estabelecidos os requisitos para avaliação de equivalência ao Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária relativos à estrutura física, dependências e equipamentos de estabelecimento agroindustrial de pequeno porte de produtos de origem animal, na forma desta Instrução Normativa.

CAPÍTULO IV DO ESTABELECIMENTO AGROINDUSTRIAL DE PEQUENO PORTE DE PRODUTOS DAS ABELHAS E DERIVADOS 

Seção I Da Estrutura Física 

Art. 42. O estabelecimento agroindustrial de pequeno porte de produtos das abelhas e derivados deve receber, no máximo 40 toneladas de mel por ano para processamento. 

Art. 43. O estabelecimento deve possuir área de recepção de tamanho suficiente para realizar seleção e internalização da matériaprima para processamento separada por paredes inteiras das demais dependências. § 1o A área de recepção deve possuir projeção de cobertura com prolongamento suficiente para proteção das operações nela realizadas. § 2o O estabelecimento que recebe matéria-prima a granel deve possuir área para limpeza externa dos recipientes. § 3o As melgueiras podem ser mantidas na área de recepção desde que seja telada e a extração do mel seja realizada no mesmo dia da recepção. 

Art. 44. O estabelecimento deve possuir dependência para armazenagem de matéria-prima com dimensão compatível com o volume de produção, sob temperatura adequada, de modo a atender as particularidades dos processos produtivos. § 1o As áreas devem ser separadas por paredes inteiras das demais dependências. § 2o O estabelecimento que recebe pólen apícola, própolis, geleia real e apitoxina deve possuir equipamentos de frio provido de termômetro com leitura externa. § 3o As melgueiras podem ser armazenadas juntamente com as demais matérias-primas. 

Art. 45. O laboratório deve estar convenientemente equipado para realização das análises necessárias para o controle da matéria prima e produto. § 1o Não é obrigatória a instalação de laboratório, desde que as análises sejam realizadas em laboratórios externos; § 2o A dispensa de laboratório previsto no parágrafo anterior não desobriga a realização no estabelecimento de análise de umidade no mel. 

Art. 46. A dependência de processamento deve possuir dimensão compatível com o volume de produção e ser separada das demais dependências por paredes inteiras. § 1o A descristalização do mel, quando for utilizado equipamento de banho-maria, deve ser realizada em área própria separada das demais dependências por paredes inteiras ou, quando na mesma dependência, em momentos distintos do beneficiamento. § 2o A higienização dos saches deve ser realizada em área própria separada das demais dependências por paredes inteiras ou, quando na mesma dependência, em momentos distintos do beneficiamento. § 3o O beneficiamento de própolis e a fabricação de extrato de própolis devem ser realizadas em área própria separada das demais dependências por paredes inteiras ou, quando na mesma dependência, em momentos distintos do beneficiamento. § 4o O beneficiamento de cera de abelhas deve ser realizado em área própria separada das demais dependências por paredes inteiras. 

Art. 47. O estabelecimento que recebe mel a granel deve possuir área destinada à lavagem de vasilhame. Seção II Dos Equipamentos e Utensílios 

Art. 48. Para realizar a extração de mel, são necessários os seguintes equipamentos: I - mesa desoperculadora; II - centrífuga; e III - baldes. 

Art. 49. Para realizar o beneficiamento de mel, são necessários os seguintes equipamentos: 
I - baldes; 
II - filtro ou peneira com malhas nos limites de 40 (quarenta) a 80 (oitenta) mesh, não se permitindo o uso de material filtrante de pano; 
III - tanque de decantação; e 
IV - torneira. 

§ 1o Quando o estabelecimento realizar mistura de méis de diferentes características deve possuir equipamentos ou utensílios para homogeneização. 

§ 2o Para envasamento em saches, o estabelecimento deve possuir ainda dosadora de sache, calha, tanque pressurizado, tanque para lavagem e mesa para secagem. 

§ 3o Quando utilizada tubulação, esta deve ser de aço inoxidável, a exceção das tubulações flexíveis de bomba de sucção as quais poderão ser de material plástico atóxico. 

§ 4o Quando for necessária a descristalização do mel, o estabelecimento deve possuir ainda estufa, banho-maria ou equipamento de dupla-camisa. 

§ 5o Quando o estabelecimento realizar mistura de produtos para fabricação de compostos de produtos das abelhas, deve possuir h o m o g e n e i z a d o r. 

Art. 50. Para produção de pólen apícola, são necessários os seguintes equipamentos: I - bandejas e pinças; II - soprador; e III - mesa ou bancada. Parágrafo único. Para produção de pólen apícola desidratado é necessário ainda a estufa de secagem. 

Art. 51. Para beneficiamento de cera de abelha, são necessários os seguintes equipamentos: I - derretedor de cera; II - filtro; III - forma; e IV - mesa ou bancada. Parágrafo único. Para a produção de cera de abelha alveolada, o estabelecimento deve possuir ainda laminadora e cilindro a l v e o l a d o r. 

Art. 52. Para produção de extrato de própolis, são necessários os seguintes equipamentos: I - recipiente de maceração; II - filtro; III - vasilhame para transferência do produto; e IV - recipiente de estocagem. 

Art. 53. Para beneficiamento de geleia real, são necessários os seguintes equipamentos: I - cureta; e II - mesa ou bancada. Parágrafo único. Para a produção de geleia real liofilizada, é necessário ainda o liofilizador. 

Art. 54. O pólen apícola, própolis, geleia real e apitoxina devem ser armazenados em equipamentos de frio provido de termômetro com leitura externa. 

Art. 55. Para o processamento de produtos de abelhas silvestres nativas podem ser utilizadas as mesmas dependências industriais e equipamentos utilizados para produtos de abelhas Apis mellífera, no que couber a tecnologia de fabricação.



LEI Nº 13.680, DE 14 DE JUNHO DE 2018
Altera a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, para dispor sobre o processo de fiscalização de produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal.

     O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
     Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

     Art. 1º Esta Lei altera a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, para dispor sobre o processo de fiscalização de produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal.

     Art. 2º A Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 10-A:


"Art. 10-A. É permitida a comercialização interestadual de produtos alimentícios produzidos de forma artesanal, com características e métodos tradicionais ou regionais próprios, empregadas boas práticas agropecuárias e de fabricação, desde que submetidos à fiscalização de órgãos de saúde pública dos Estados e do Distrito Federal. 

§ 1º O produto artesanal será identificado, em todo o território nacional, por selo único com a indicação ARTE, conforme regulamento. 

§ 2º O registro do estabelecimento e do produto de que trata este artigo, bem como a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização do produto, no que se refere aos aspectos higiênico-sanitários e de qualidade, serão executados em conformidade com as normas e prescrições estabelecidas nesta Lei e em seu regulamento. 

§ 3º As exigências para o registro do estabelecimento e do produto de que trata este artigo deverão ser adequadas às dimensões e às finalidades do empreendimento, e os procedimentos de registro deverão ser simplificados. 

§ 4º A inspeção e a fiscalização da elaboração dos produtos artesanais com o selo ARTE deverão ter natureza prioritariamente orientadora. 

§ 5º Até a regulamentação do disposto neste artigo, fica autorizada a comercialização dos produtos a que se refere este artigo."

     Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
     Brasília, 14 de junho de 2018; 197º da Independência e 130º da República.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Simpósio sobre o Rio Capibaribe



Data: 22 de Novembro de 2018 – 10h30-12h
Mesa Temática: O Manguezal, a Bacia hidrográfica e o Estuário Capibaribe.

Moderadora: Profa. Dra. Maria do Carmo F. Soares (DEPAq/UFRPE)                                                                                                  
Participantes: Prof. Dr. Carlos Augusto França Schettini (DOCEAN/CTG/UFPE);
Prof. Dr. Clemente Coelho Júnior (ICB/UPE);
Prof. Dr. Ricardo Braga (UFPE/Presidente da Associação Águas do Nordeste);
Sr. Augusto Guimarães (Presidente da Colônia de Pesca Z-1).

Ementa: Apresentação dos conceitos de Manguezal, Bacia Hidrográfica e Estuário e suas principais caracterizações, com destaques para o papel da circulação na qualidade ambiental do Rio Capibaribe, seus manguezais urbanos, os desafios para a gestão hídrica do Capibaribe no Estado de Pernambuco e a pesca na porção estuarina.

Subtemas:
  1. Carlos Augusto França Schettini: O papel da circulação na qualidade ambiental de estuários urbanos.
  2. Clemente Coelho Junior: Manguezais urbanos do Capibaribe.
  3. Ricardo Braga: O Rio Capibaribe e os desafios para a gestão hídrica no Estado de Pernambuco.
  4. Sr. Augusto Guimarães: A pesca no Estuário do rio Capibaribe

Data: 23 de Novembro de 2018 – 10h30-12h
Mesa Temática: Direitos da Natureza: os direitos do Rio Capibaribe
Moderadora: Profa Dra Helenilda Cavalcanti (FUNDAJ)
Participantes: Profa. Dra. Vanessa Hasson de Oliveira (UNICAP/MAPAS)
Prof. Dr. Fernando Porto (DZ/UFRPE)
Profa. Dra. Luciana Camargo Castro (Consultora)
MSc Alexandre Sávio Pereira Ramos (Presidente do COBH Capibaribe)
 
Ementa: Com o objetivo de superar o paradigma utilitarista da natureza, esta mesa visa
discutir os direitos intrínsecos do Rio Capibaripe, do manguezal e da comunidade que o
integra como alguns rios em âmbito internacional. Pernambuco destaca-se no cenário
nacional como o primeiro estado a reconhecer os direitos da natureza.
 
Subtemas:
  1.  Vanessa Hasson de Oliveira: Quais são os Direitos do Rio Capibaribe?
  2. Fernando Porto: Direitos dos manguezais. 
  3. Luciana Camargo Castro: O que são serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos? Como trabalhar esse tema com as organizações?
  4. Alexandre Sávio Pereira Ramos: Política e gestão das bacias hidrográficas em Pernambuco: caminhos para a sobrevivência do rio.


Data: 23 de Novembro de 2018 – 13h30-15h
Mesa Temática: Revitalização da Bacia do Rio Capibaribe
 
Moderador: Dr. Marcelo Asfora (Pesquisador da Dipes/FUNDAJ)
Participantes: Aldo Santos (Diretor de Meio Ambiente da COMPESA)
José Gomes (Presidente do Moda Center de Santa Cruz do Capibaribe/ Representante da FIEPE)
Eduardo Elvino (Diretor Presidente do CPRH)
Clênio Torres (Diretor em Exercício de Regulação e Monitoramento da APAC)

Ementa: A Revitalização da Bacia do Rio Capibaribe, em especial as ações necessárias
para a melhoria da qualidade de suas águas, será debatida por atores-chave dos setores
de Saneamento, Indústria e Agências de Governo do Estado de Pernambuco.

Subtemas:
  1. Aldo Santos - Situação do Saneamento Básico na Bacia do Rio Capibaribe
  2. Anísio Coelho - Medidas de Redução do Impacto dos Processos Produtivos na Bacia do Rio Capibaribe
  3. Eduardo Elivino - Diagnóstico Ambiental, Monitoramento e Fiscalização na Bacia do Rio Capibaribe
  4. Clênio Torres - Outorga de Lançamento de Efluentes e Monitoramento da Qualidade das Águas na Bacia do Rio Capibaribe



Diretoria COBH Capibaribe

Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas

Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas
Uma jovem planta de umburana de cambão