Vídeos

Visitas

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Mais um Prêmio Vasconcelos Sobrinho 2019 - 3º lugar Categoria Pesquisa Ambiental - Renan do Nascimento Barbosa. Indicação da APIME.

A Associação Pernambucana de Apicultores e Meliponicultores - APIME com muita honra e alegria anuncia mais um  vencedor do Prêmio Vasconcelos Sobrinho 2019, Categoria  Pesquisa Ambiental que é de Renan do Nascimento Barbosa com o trabalho "Caracterização polifásica de fungos isolados de substratos relacionados à melípona scutellaris (apidae meliponini) no ambiente de colmeias racionais".

O Concurso foi lançado através de Edital pela Agência de Meio Ambiente de Pernambuco - CPRH que anualmente premia pessoas e instituições que se destacaram na área de meio ambiente.

Parabéns Dr. Renan Barbosa! Obrigado por contribuir com a ciência e em particular com a Meliponicultura. Agradecemos por ser um sócio que enaltece a nossa Associação APIME.

Visualização da imagem

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Prêmio Vasconcelos Sobrinho 2019 - 1º lugar Categoria Personalidade do Meio Ambiente é de Lula do Mel com o Solar das Abelhas. Indicação da APIME.


A Associação Pernambucana de Apicultores e Meliponicultores - APIME com muita honra e alegria anuncia que o vencedor do Prêmio Vasconcelos Sobrinho 2019, Categoria Personalidade do Meio Ambiente, é João Luiz Aleixo da Silva, Lula do Mel, com o trabalho. projeto "Solar das Abelhas, um Centro de Educação Ambiental de referência sobre abelhas em Pernambuco".

A  APIME, em outubro de 2019, fez a inscrição do trabalho/projeto de Lula do Mel intitulado "Solar das Abelhas um Centro de Educação Ambiental de referência sobre abelhas em Pernambuco", sem que o próprio autor soubesse, para concorrer ao referido Prêmio na categoria Personalidade do Meio Ambiente. O Concurso foi lançado através de Edital pela Agência de Meio Ambiente de Pernambuco - CPRH que anualmente premia pessoas e instituições que se destacaram na área de meio ambiente.

No dia de hoje, 04.12.19, Lula do Mel liga para Alexandre Moura muitíssimo alegre por ter recebido uma ligação da CPRH comunicando o resultado de que ele tinha sido classificado em primeiro lugar nessa categoria e a ele foi afirmado: "que a sua alegria e orgulho são nossos também, de todos que fazem a APIME, pois você é um sócio que nos representa e tem história. É uma premiação justa! O Prêmio Vasconcelos Sobrinho enaltece o premiado e nesse caso o premiado valoriza o Prêmio
Assim, estendemos o Convite para que todos possamos estar juntos na entrega dessae valioso prêmio a Luiz Aleixo, que será´no dia 16 de dezembro de 2019, as 15 h 30 min, no Auditório do Cais do Sertão, localizado no Armazém 10, na Av. Alfredo Lisboa, no bairro do Recife (Recife Antigo) - PE.
Parabéns a Lula do Mel, Parabéns a APIME!
Parabéns a resistência ambientalistas, sempre na luta!



O Projeto foi inscrito com o seguinte texto:


SOLAR DAS ABELHAS, um Centro de Educação Ambiental de referência sobre abelhas em Pernambuco.

   Primeira iniciativa de criação de um centro de Educação Ambiental sobre abelhas no Estado de Pernambuco, quiçá no Nordeste. A iniciativa foi de João Luiz Aleixo da Silva, conhecido como Lula do Mel, apicultor e meliponicultor que nasceu e vive em Caruaru-PE, cidade que dispensa apresentações. Mas, a diversidade cultural regional da cidade, não poderia deixar de inspirar o biólogo de formação, o poeta e tocador de realejo de coração a propor algo grandioso e a altura de sua cidade que foi o Solar das Abelhas.  O nome por si só já é encantador ao imaginar a luz solar a iluminar de conhecimento e imaginação os que visitam aquele espaço. 
   Erguido com uma arquitetura respeitando o padrão construtivo tradicional, com tijolos “batidos”, aparentes, com telhados a vista, chão de laje cerâmica e janelas amplas. E que janelas têm este Solar! Todas em formato hexagonal, referindo-se às celas das abelhas com seus seis lados ou seis ângulos, como queiram.  Como as janelas, por onde nossos olhos se voltam, veem estruturas hexagonais: bancos, adornos, portões e tantas outras coisas, como a cerâmica que reveste a cozinha com hexágonos pequenos, coisa linda de se ver. Cozinha esta que é a recepção para se degustar um café orgânico passado na hora com água tirada do pote de barro com cochas de bordas recortadas e pontiagudas lembrando que menino travesso não deve beber água botando a boca na concha. Café feito, adoçado com mel ou açúcar mascavo a gosto, ou não,  para junto ser degustado com queijo de Sanharó, cidade com nome de abelha do agreste pernambucano, bolachas salgadas, “mata fome” com gostinho de erva doce, bolo   e principalmente com boa conversa.
   Mas, o Solar com sua simplicidade e beleza imponente fica na parte mais alta de um terreno onde compõe um simples complexo (parece antagônico, mas é isso mesmo) cultural localizado na área denominada de Pontilhão, em razão de ser à margem da antiga linha férrea que ali existia em funcionamento a tempos outrora.
   Ao chegarmos entramos por um lindo portão em formato..... adivinhem formato de que?  E sobre o qual tem uma jardineira. Sobe-se um batente de lajotas e temos acesso à porta central do Solar cujo entornos são adornados com desenhos singelos de flores feitos a mão delicada da psicóloga e artista plástica Marta Sales. Ao lado um sino para ser tocado pelos visitantes em ritual de boas vindas.
   Ao adentrarmos,  os olhos querem se dirigir para todos os lados ao mesmo tempo para ver tudo que ali se encontra. Ao fundo, uma música relaxante e junto ao som dos ventos nos acalmam para conseguirmos ver o que ali tanto tem. Um espaço cheio de banquinhos de madeira com estofados nos seus assentos é um verdadeiro convite para relaxar, mas isso se faz para ouvir as palestras ali ministradas, cujo tema principal é a importâncias das abelhas na natureza, com o foco na polinização, serviço ambiental realizado com muita eficiência pelas abelhas. O lema é: “Sem Abelhas, Sem Alimentos”. Ao fundo temos um manequim de apicultor apresentando sua indumentária, fumigador e colmeia. Os visitantes infantis são recebidos por arte-educadores, que depois convidam os alunos visitantes para assistirem um filme sobre a polinização das abelhas e juntamente com uma cartilhinha sobre o tema, as crianças interagem respondendo os questionamentos-desafios contidos nela. Uma forma participativa e empolgante para todos.
   Ao lado do manequim apicultor tem uma prateleira contendo os produtos das abelhas ali a serem apresentados: mel, própolis, cera.
   Ao lado direito do salão, encontramos prateleiras repletas de colmeias de abelhas nativas, abelhas sem ferrão. São abelhas Uçuru, Uruçu-Mirim, Mosquito, Jataí e outras todas em colmeias que podem ter seu interior observado a partir da abertura das tampas das colmeias que estão por dentro protegidas por uma lâmina de acetado transparente, possibilitando se ver o interior das colmeias sem que as abelhas saiam. Do outro lado da parede vamos encontrar as “saídas” das abelhas, saídas estas, obviamente interligadas ao interior das colmeias que estão na prateleira. Cada saída ou entrada das colmeias é adornado com um prato cerâmico da artista plástica caruaruense, Geysiane Aleixo. Nessa parte, o visitante pode observar o movimento de saída e chegada das abelhas a campo, e que por vezes se pode vê-las trazendo em suas patinhas, corbículas, bolotas de pólen para ser armazenado em potes de alimentos feito de cera no interior das colmeias. Também pode se observar o tamanho e cores variadas das diversas abelhas.
   Mas, o Solar das Abelhas é um espaço de promoção! Promoção das pessoas, da cultura, do conhecimento, de arte e de formação. Lá se propõem a realização de palestras, cursos de formação e até de intercambio técnico cultural como foi a realização de palestra sobre a apicultura luso, realizada no entorno de Lisboa (2019).
   O espaço conta com jardins, um apiário no entorno do Solar onde abelhas Apis melífera são criadas com o objetivo didático de se apresentar a criação de abelhas com ferrão. Integra também o Solar, a sementeira de espécies nativas da caatinga. Tecnologias sociais como sistema de coleta de água de chuva, com cisterna para guarda-la com qualidade e forno ecológico a lenha.
   A proposta de Educação Ambiental do Solar das Abelhas é inovadora em função dos trabalhos serem realizados em conjunto com escolas da região, cuja cartilha é trabalhada durante o ano escolar pelos professores, com temas, atividades e desafios para os estudantes e com a interação por meio de visitas ao Solar em momentos estratégicos da programação proposta na cartilha. Uma proposta de educação ambiental ampla que integra diversos atores interessados  e com potencial de contribuir diretamente na implementação das Politicas Públicas de Educação e com outras política públicas e com a sociedade pernambucana no desafio do desenvolvimento sustentável.
   O Solar das Abelhas foi fundado em 2018 a partir de uma iniciativa exclusiva do João Luiz Aleixo da Silva, Lula do Mel, que com recursos próprios, optou em realizar seu sonho de criar esse espaço e socializa-lo com a sociedade pernambucana, surgindo mais um marco cultural e educacional para Caruaru, incrustrado no Alto do Moura, lugar melhor não poderia ser, para raiar o Solar das Abelhas!
21/10/2019
(Texto: Alexandre Moura - APIME)


1.8 Justificativa 
Diante da importância que as abelhas exercem no planeta, na perspectiva da polinização, onde alimentos, produção de sementes e perpetuação das vegetações nativas tem elas interferência direta e por outro lado diante das ameaças que esses insetos polinizadores vem sofrendo gradativamente, com o aumento do uso agrotóxicos, mudanças climáticas e outras formas de destruição dos habitas, se faz necessário que a população passe, através do conhecimento sobre elas e sua importância na natureza, a terem condições de se tornar aliada na sua proteção. Nada melhor para isso que trabalhar a partir de Educação.
Assim, unir a fascinação que as abelhas exercem sobre as pessoas com a gama de assuntos que a elas e a natureza estão relacionados, e a possibilidade disso se abordas temas voltados a conservação ambiental, motivou a idealização do Solar das Abelhas em pleno agreste semiárido pernambucano como um Centro de Educação Ambiental.


1.9 Objetivos 
  • Promover Educação Ambiental voltada a conservação e preservação, principalmente para crianças e jovens escolares, utilizando como tema chave as abelhas nativas e Apis melífera.
  • Difundir conhecimentos sobre meio ambiente de forma prática e abordando temas variados com exemplos de atividades e tecnologias de adaptação às mudanças climáticas e ao convívio com o semiárido.


1.10 Descrição das ações desenvolvidas  
  • Realização de palestras sobre as abelhas e meio ambiente.
  • Visita ao Meliponário para conhecer abelhas e suas colmeias “in situ”;
  • Recebimento de Escolares e Universitários para aulas de formação e aulas práticas
  • Centro Cultural sobre as Abelhas como referência para o recebimento de uma gama     de pessoas e profissionais, da área de ciências e de cultura.
  • Promoção de práticas de Tecnologias de Adaptação ao Semiárido com os visitantes estimulando e difundindo esse conhecimento.



1.11 Resultados alcançados 
  • Primeiro Centro de Educação Ambiental sobre abelhas no Estado de Pernambuco;
  • Realização de dezenas de atividades voltadas a Educação Ambiental com crianças, jovens de escolas;
  • Realização de cursos de formação técnica;
  • Difusão de conhecimento sobre abelhas, meio ambiente e tecnologias sociais.
  • Funcionamento de um Centro de Educação Ambiental com a utilização e funcionamento de tecnologias sociais adaptadas ao semiárido nordestino
  • Resgate da cultura e conhecimento popular através do diálogo dos saberes




segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Semana de Ciência e Tecnologia do IFPE Campus Paulista. APIME - 2019

A APIME recebeu o honroso convite para participar da Semana de Ciência e Tecnologia do IFPE Campus Paulista - PE, que ocorreu no dia 12 de novembro de 2019.



A APIME tem como finalidade com a participação nesses eventos de divulgar informações sobre as abelhas e a divulgação da atividade apícola como forma de valorizar esta profissão, mas tudo na perspectiva de uma apicultura e meliponicultura sustentável e com responsabilidade sócio-ambiental.



quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Semiárido Show - Embrapa 2019 - 19 a 22 de novembro em Petrolina - PE






 https://www.embrapa.br/semiaridoshow


Em 2019, o Semiárido Show chega à sua oitava edição sustentando a importância de ser considerado o maior evento de inovação tecnológica voltado para a agropecuária no Nordeste brasileiro. O objetivo principal da sua organização é tornar possível a milhares de produtores e empreendedores o amplo acesso a conhecimentos e informações, gerados pela Embrapa e instituições parceiras, que dinamizam a produtividade e sustentabilidade da atividade na região. 
Com o tema "Inovações e Dinâmicas de Desenvolvimento Regional", esta edição conta com uma programação diversificada, que contempla capacitações por meio de mais de 50 minicursos, palestras, oficinas e seminários temáticos, bem como a exposição em campo de uma centena de inovações tecnológicas. A expectativa dos organizadores é de que o evento receba um público em torno de 20 mil agricultores, estudantes e agentes de assistência técnica e extensão rural de todos os estados que compõem a região semiárida.

Fonte:   https://www.embrapa.br/semiaridoshow





Programação: 
 https://www.embrapa.br/documents/1355026/45821313/Programa%C3%A7%C3%A3o+Semi%C3%A1rido+Show+2019/4f7439fb-05e2-490a-cb30-af4cf2faeed5


Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas

Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas
Uma jovem planta de umburana de cambão